Programa Lacan na Academia - Conversando com a Literatura

Programa Lacan na Academia – Conversando com a Literatura

 

“LACAN NA ACADEMIA – CONVERSANDO COM A LITERATURA” REALIZA A SESSÃO

O DEMÔNIO DO FEMININO EM GRANDE SERTÃO: VEREDAS”  

COM ANTÔNIO TEIXEIRA E GUSTAVO JARDIM

ENCONTRO ACONTECE EM PARCERIA ENTRE A ACADEMIA MINEIRA DE LETRAS

E A ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE – SEÇÃO MINAS GERAIS, NO DIA 14/03

No dia 14 de março, às 19h30, a Academia Mineira de Letras realiza, em parceria com a Escola Brasileira de Psicanálise – Seção Minas Gerais (EBP – MG), a primeira sessão do programa “Lacan na Academia – conversando com a literatura”. O psicanalista Antônio Teixeira convida o artista, pesquisador e ativista Gustavo Jardim para debaterem acerca do tema “O Demônio do feminino em Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa”.

A Academia Mineira de Letras é mantida mediante a Lei Federal de Incentivo à Cultura, no âmbito do Plano Anual de Manutenção AML, realizado com patrocínio do Instituto Unimed-BH, por meio do incentivo fiscal de mais de 4,7 mil médicos cooperados e colaboradores. A Academia integra o Circuito Liberdade.

“Ao passo que Euclides da Cunha fala de ‘Os Sertões’, no sentido genérico que o artigo plural evoca, Guimarães Rosa faz falar o ‘Grande Sertão’, no sentido ímpar do adjetivo singular. Tanto em Rosa como em Euclides há a terra, a luta e o homem; a diferença, observa Antônio Cândido, é que em ‘Grande Sertão’ a busca pelo nexo causal determinista, que orienta o ideal científico do relato de Euclides, se desfaz. No lugar do determinismo, existe o desejo e suas ambiguidades, o paradoxo. O pacto funciona, mas se duvida que o Diabo exista. Em tal contexto, Diadorim encarna a ambiguidade da posição, ao mesmo tempo santa e demoníaca do feminino, como contrapartida ao pacto masculino com o Diabo”, ressalta o palestrante, psicanalista Antônio Teixeira.

Para o cineasta Gustavo Jardim, “o ‘Grande Sertão: Veredas’ é uma obra em pleno movimento, como um redemoinho, no seu centro está o mistério de nossa identidade e dos nossos dias atuais: o ‘demônio do feminino’ podemos entrevê-lo através de uma violência que emana da natureza e irmana com nosso olhar”, diz.

A parceria entre a Academia Mineira de Letras e a Escola Brasileira de Psicanálise – Seção Minas Gerais promove uma série de sessões mensais de literatura comentadas por importantes psicanalistas, como Sérgio de Castro, Márcia Rosa e Ram Mandil e convidados, que pretendem abordar as interseções entre a literatura e a psicanálise. Nesta primeira edição, serão quatro encontros sob o tema “O feminino, seus corpos e mundos”, por meio da leitura de autores brasileiros, do século XX, que permitirão levantar o véu do prenúncio da expressão do feminino fora das bordas e bordados da intimidade do lar.

Sobre os palestrantes:

Antônio Teixeira

Psiquiatra, psicanalista, mestre em Filosofia Contemporânea (FAFICH UFMG), doutor em Psicanálise (Paris VIII), professor associado da FAFICH-UFMG.

Gustavo Jardim

Artista audiovisual, mestre em Cinema e Educação (FAE/UFMG), doutorando em Filosofia da Imagem (FAFICH/UFMG). Colaborador do programa “Cinema: Cem Anos de Juventude”, da Cinemateca Francesa em Minas Gerais, pela ONG Imagens em Movimento (RJ). Vice-curador da Escola Horizontal de Patafísica e fundador do Durolo, ateliê de produção colaborativa em artes e políticas, em Belo Horizonte.

SERVIÇO:

Sessão comentada “O Demônio do feminino em Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa” – com Gustavo Jardim e Antônio Teixeira.

Data: 14 de março

Horário: 19h30

Local: Academia Mineira de Letras (Rua da Bahia, 1466 – Lourdes – BH/MG).

Entrada gratuita. academiamineiradeletras.org.br