Sozinhos e Intoxicados - II Encontro TyA Brasil

Sozinhos e Intoxicados – II Encontro TyA Brasil

ii-encontro-tya-brasil-7

A comunidade psicanalítica e todos aqueles que se interessam pela Clínica das Toxicomanias estão convidados a participar do II Encontro TyA Brasil, “‘Sozinhos e intoxicados”, um dos eventos satélites do XXI Encontro Brasileiro do Campo Freudiano. O II Encontro acontecerá na sede da EBP/SP e privilegiará a conversação através da apresentação de trabalhos coletivos dos diversos Núcleos de Investigação do Brasil que, ao longo dos dois últimos anos, se dedicaram à pesquisa dos seguintes eixos:

Toxicomania ou adições?

Diferentes designações têm permeado o discurso científico e os debates em torno daqueles que localizam em uma droga química um ponto privilegiado do seu gozo. Drogadito, toxicodependente, dependente ou abusador de substâncias psicoativas são alguns exemplos. A orientação lacaniana insiste nos significantes alcoolismo e toxicomania. Pensemos um pouco sobre esta singularidade. O que a justifica? Ela aponta para algo de uma direção na escuta do parlêtre que goza sozinho com sua «droga de vida»?

Além dessas questões, quando tomamos o termo adições, o leque dos objetos de mais-de-gozar se amplia neste início de século. Nossa clínica os elenca: os jogos, a tecnologia, o consumo, a comida, as selfies, as redes sociais, até o amor e certas formas de se haver com o sexo. Mas talvez nossa prática nos convoque a estabelecer um refinamento clínico maior em torno disso. A incidência da droga no real do corpo, ali onde um sujeito busca com a introdução de substâncias químicas um efeito de gozo, teria o mesmo estatuto do uso daqueles outros objetos? Ou tratam-se de estatutos do gozo de outras ordens? A solidão e o autismo provocados por esses outros objetos da cultura seriam os mesmos provocados por uma droga?

A solidão do gozo na parceria com o objeto droga

De uma forma geral, a solidão é um termo que se refere à escolha de um modo de viver sem um parceiro. Na época atual, é um significante que descreve uma das faces dos relacionamentos estabelecidos via redes sociais, pelo sentimento de ora estar só, ora acompanhado por um outro que pode estar em qualquer lugar do mundo, contanto que tenha acesso à tecnologia necessária. Para a psicanálise de orientação lacaniana, há uma solidão estrutural para a qual cada um encontra uma solução, por meio de suas parcerias sintomáticas. Se há um autismo fundamental em todo gozo, o que se estabelece na relação entre o sujeito e a droga que faz com que prescindam da relação com o outro?

Toxicomania e Psicose

Essa discussão é responsável, muitas vezes, por grandes confusões nas equipes de saúde que lidam com transtornos mentais e a problemática do álcool e outras drogas. O entendimento de que a droga é causadora do transtorno ou ainda a dificuldade de situar a droga como elemento estabilizador da psicose, ainda que paradoxal, impedem que se possa avançar clinicamente nesta questão. A pergunta que norteia essa reflexão é: como precisar as relações entre um campo e outro, estabelecendo seus pontos de intersecção e suas zonas limites? Em comum, podemos localizar uma limitação ou dificuldade com a função simbólica. Como não podemos considerar que em toda manifestação de consumo de drogas estaria em jogo a toxicomania, qual seria o diferencial a ser buscado?

A psicanálise oferece as condições para o debate, problematizando as relações entre toxicomania e psicose, considerando inicialmente que esses recantos do psiquismo humano muito têm a nos ensinar acerca do próprio humano. Somos levados a pensar que tanto a loucura quanto a toxicomania são fronteiras da experiência subjetiva que colocam à prova a capacidade de tolerância da civilização e que se constituem como longínquos por expressarem algo do paradoxal e do incompreensível.

Venha, participe!

Data: 24 de novembro de 2016

Horário: 8 às 18 horas

Local: Rua João Moura, 627. (Mezanino). Pinheiros. S.P.

Valor: R$65,00. Realizar o depósito no Banco Itaú, agência 4540, Conta Corrente: 02333-2. Instituto de Psicanálise e Saúde Mental (IPSM-MG). CNPJ: 02.804.439/0001-00

Vagas limitadas. A inscrição será confirmada após o envio por e-mail do comprovante de depósito com o nome do inscrito para: ipsmmg@institutopsicanalise-mg.com.br (aos cuidados de Margaret Ferreira) com cópia para Maria Wilma S. de Faria  mwilma62@gmail.com

Comissão científica e de organização: Ana Martha Maia, Cassandra Dias Farias, Cesar Skaf, Claudia Generoso, Giovanna Quáglia, Lenita Bentes, Leonardo Scofield, Lilany Pacheco, Maria Célia Kato, Maria Wilma S. Faria, Oscar Reymundo, Pablo Sauce, Renato Vieira.

PROGRAMA DO II ENCONTRO TyA BRASIL

“SOZINHOS E INTOXICADOS”

8hs: Credenciamento

8h30: Abertura: Maria Wilma S. de Faria (Responsável pela Rede TyA Brasil)

Conferência: Jésus SantiagoA Toxicomania Verdadeira Como Paradigma da Psicose Ordinária

10hs Eixo: Toxicomania e Psicose

  • Psicose ordinária & toxicomania – Núcleo TyA Bahia: Ana Stela Sande, Anderson Veloso Viana, Carla Fernandes, Elia Cardoso, Eugenia Nuñez, Pablo Sauce (relator), Ueliton Pereira.
  • O tratamento do Outro em um caso de toxicomania – Núcleo de Investigação e Pesquisa Psicanalítica nas Toxicomanias e no Alcoolismo – TyA Minas Gerais: Claudia  Maria Generoso, Cristina Nogueira, Lilany Pacheco ( relatora) Marcelo Quintão, Maria Rachel Botrel, Maria Wilma Faria, Mariana Vidigal.
  • A toxicomania, o falo e a psicose – Núcleo de Pesquisa Psicanálise & Toxicomania – CLIPP- TyA São Paulo. Relator: Durval Mazzei

Debatedor: Antônio Beneti

11h45 Lançamento da Revista Pharmakon Digital nº 2

14hs Eixo: Toxicomania ou Adições?

 

  • De um falo que mascara o real do sexo Núcleo de Investigação e Pesquisa sobre o Amor e a Sexuação – TyA Paraná. Relator: Cesar Skaf

 

    • Sobre cócegas, drogas e labaredas Núcleo de Pesquisa em Toxicomania e Psicanálise (Clin-a) – TyA Ribeirão Preto: Cláudia Reis, Emmanuel Mello, José Danilo Canesin (relator), Maria Célia Reinaldo Kato e Simone Sanches

 

  • Silêncio: os sinais da pedra Núcleo de Pesquisa em Toxicomania de Brasília/DF- TyA: Franklin Martins, Giovanna Quaglia (relatora), Marcia Tomé, Manoel Henriques, Patrícia Santos, Paulo Amorim, Pedro Bonaldo, Quezia Rodrigues, Rayane Lacerda, Romeu Maia( relator).

 

Debatedora: Elisa Alvarenga

16hs Eixo: A solidão do gozo na parceria com o objeto droga

    • Da parceria com a droga, a um laço possível – TyA Rio de Janeiro. Ana Martha Maia , Selma Pau Brasil ( relatoras).
    • O Um sozinho e a solução toxicômana Núcleo de Investigação e Pesquisa nas Toxicomanias e Alcoolismo – TyA Paraíba: Carla Pereira, Cassandra Dias Farias (relatora), Cleide Monteiro, Sara Arkanian, Zaeth Nascimento.

 

  • Não há parceria que exclui a solidão – TyA Santa Catarina: Leonardo Scofield (relator), Luis Francisco, Oscar Reymundo.

 

Debatedor: Oscar Reymundo

18hs Encerramento